O conceito

Carpe nunc – vive no agora.

No passado o conceito podia ser um pouco mais simples mas no entanto menos poderoso e mal explicado na maioria dos casos, pois quem aprendia o conceito Carpe Diem, acabava por exagerar no “viver o dia”, “viver o momento” e não se trata de exagero pois nunca se deve fugir aos pilares, outra educação humana mal feita que tenciono ajudar a corrigir.

Mas viver o agora de forma espontânea não é fácil contudo verifico que a maioria em seu estado equilibrado acaba por cumprir os pilares de forma natural e inconsciente igual a qualquer outro animal. Contudo tendo a capacidade de ser consciente (observador de sim mesmo, uma capacidade de semi-Deus) o humano consegue andar mais cumpridor ás leis naturais se ganhar essa consciência e desiquilibrando acaba por ser um semi-Deus demasiado destruidor e claro ao fazer demasiado mal a si ou a outros tal semi-Deus é parado pelos outros, pois Ordem, Equilibrio, Estabilidade, Paz e Amor acaba por ser o desejo maior do todo humano.

Mas se a malta não estivesse tão dorminhoca iria perceber que práticamente tudo está escrito. Apenas acrescentei uma definição no conteúdo Cristão, a de amor, pois sem ela temos esta confusão e caos desnecessário.

Nunca esquecer a origem e como foi a contribuição que ficou registada, a de Buda, nunca se esqueçam da origem, e dela manifestem-se com a sua excelente recomendação, moderação. Dizem que todos temos Buda dentro de nós porque a origem está em todas as manifestações e nós apenas somos uma delas. Buda foi cientifico.

Mas para o agora, a dinâmica da vida, com tanto movimento! Aí Jesus Cristo teve a visão e apesar de analfabeto, os simbolos e as palavras foram suficientes para ser também cientifico e já mais ajustado com o que vem mais tarde a ser o Zen.

E como qualquer outro animal, os mestres Zen assim fizeram, desliga dos livros e protocolos, vai ser primeiro animal como qualquer outro do bosque, mas depois de acordares volta.

E voltares da origem para o agora e mostrares no agora, o semi-Deus consciente é tudo que peço.

Carpe Nunc